segunda-feira, agosto 24, 2009

sobre não ser vegetariana

aos três anos de idade eu era uma criança rosinha e rechonchuda e que, ironicamente, não gostava de doces; eu gostava mesmo era de carne. meu restaurante preferido se chamava 'uai tchê' e lá eu tinha até copinho especial, uma mini-taça pra tomar coca-cola enquanto devorava uma picanha.

hoje, aos 23 anos, sou uma menina nem tão rosinha e um pouco menos rechonchuda e que continua a dispensar doces e apreciar carne. a questão é que moro na capital mais vegan do brasil e, há alguns meses, comecei a namorar um vegetariano. viver aqui e o fato de passar muito tempo com o namorado me fez começar a apreciar a vida sem carne. meu restaurante preferido na ilha é um misto de japonês com vegetariano, cheio de delicinhas como sushis com legumes e frutas e um negócio de cenoura que parece peixe.

só que nem tudo são flores, claro. ser vegetariano às vezes é como ser gordo, as pessoas sempre acham que a culpa do problema é sua [sabem aquele olhar que todos lançam pro gordo quando ele sai do macdonald's com um lanche completo? então, experiência própria]. quando fomos pra bh, a gol linhas aéreas serviu de lanche uma bolacha recheada de presunto. perguntei se não havia algo com queijo ou similar pro lucas e a aeromoça respondeu 'isso nem é presunto', como se comer um presuntinho não fosse nada demais, ora, não reclame. aposto que ela também acha que caldo de carne não tem nada de carne.

o fato é que me sinto pessoalmente ofendida quando situações como essa acontecem. os princípios do lucas para não comer carne vão muito além de 'eu amo os porquinhos' e, droga!, ele tem argumentos irrefutáveis. só que as pessoas não levam muito a sério, talvez porque existam vários vegetarianos de fachada, aqueles que só comem peixe [eles deviam formar um clube com a aeromoça do presunto].

não é exatamente a questão de comer ou não carne, de ser ou não gordo; essa falta de preocupação/ cara de recriminação em relação a certas escolhas alheias é que me deixa meio cabreira. eu sempre brinco com o lucas sobre essa história de ser vegetariano [atualmente não brinco tanto porque ele fica muito bravo], mas não passa disso. provavelmente nunca deixarei a carne, a criancinha rechonchuda e rosa dentro de mim ainda pede filé e coca cola. mas agora eu compro queijo antes de comprar bacon e sempre peço pizza meio mussarela/ meio calabreza.

2 comentários:

Leandro Cassis disse...

Concordo com o texto, plenamente.


Só não viro vegetariano pois sou gosdo e filho a puta mesmo, adoro fazer churrasc em casasó pra minha familia pra poder conversar e beber com meu pai sem falar de trabalho.


Ps. Mas quem vê o Paul McCartney e não repensa essa posição vendo o velhinho de 65 anos parecendo um rapaz de 25 no show?

Um dia eu consigo!

Ana Paula P. disse...

Aeeee amiga, arrasou no comentário!!! Adorei!